Filme: Meia-Noite em Paris

Quando Woody Allen acabou de filmar cada cantinho de Manhattan e não tinha mais lugar novo na Big Apple para gravar, ele partiu para a Europa. Assim começou a saga dele, com “Vicky Cristina Barcelona“ na cidade espanhola.  Há boatos que Woody está tentando fazer uma trilogia, que teve início na Espanha e vai terminar em um país ainda não divulgado.  Mas nesse meio tempo, filmou “Meia-Noite em Paris” e eu gostaria de perguntar a ele: O QUE VOCÊ ESTAVA GANHANDO EM NY?
Os longas woodianos deram um up ENORME depois que ele passou a filmar nas cidades européias e esse filme em particular é FENÔMENAL!
Em “Meia-Noite em Paris”, Owen Wilson é um roteirista que viaja para a capital francesa com a noiva e os sogros. Gil (Wilson) é apaixonado por Paris, e seu sonho é viver nos anos 20, que foi quando a cidade mais atraiu artista de todo mundo. Enquanto sua noiva, Inez (Rachel McAdams) não acredita na carreira de Gil como romancista, Gil não desiste e quer publicar seu primeiro livro de qualquer jeito.
Inez acaba encontrando um professor de faculdade e vai a vários museus com ele. Em uma das noites, Gil decidi não sair com a noiva e sai vagando pela cidade-luz. De repente, na frente de uma igreja, ele vê seu sonho se tornando realidade. A chegada de um carro antigo que o leva em uma viagem extraordinária os anos 20 de Paris.
Gil se encontra com F. Scott e Zelda Fiztgerald, Pablo Picasso. Tem uma conversa rápida em uma mesa de bar com o cineasta Buñuel, o fotógrafo Man Ray e o engraçadíssimo, louco por rinocerontes, Salvador Dalí (interpretado brilhantemente por Adrien Brody).
Então Gil a justificar suas saídas a noite para a noiva como andanças de inspiração para o livro, enquanto a chatíssima Inez se diverte com o professor e sua esposa. Assim, todas suas noites seguintes, em Paris, Gil viaja para seus anos dourados, conhecendo cada vez mais ícones que  tanto adora.
O que o rapaz não esperava era se apaixonar por uma estudante de moda, Adriana (Marion Cotillard), caso romântico de Picasso. Inclusive, em uma das noites em que saí com ela, eles vão parar no final do século XIX, anos de ouro para Adriana. Então Gil percebe que viver do passado é um erro e que ele tem deixado passar muitas coisas do seu presente.

A personificação do próprio Woody Allen no protagonista do filme é visível até na maneira com que Owen anda com as mãos no bolso e vesti blusas maiores que seu tamanho. Outro fato que Allen levada do seu lado pessoal para película é o fato de ser anti-museu. Woody acredita que a arte deve ser experimentada e não apenas observada.
“Meia-Noite em Paris” não ganhou minha afeição na primeira vez que vi, mas se prendeu a todo meu amor na segunda vez. O filme é leve, engraçado e bom para todos, até para quem não entende de arte. Ao meu vê, foi um dos melhores filmes do ano.

Categorias ao Oscar:
Melhor Filme
 

Melhor Diretor
Melhor Roteiro Original 

Nota: 8
Título Original: Midnight in Paris
Direção: Woddy Allen
Roteiro: Woddy Allen
Elenco: Owen Wilson, Marion Cotillard, Rachel McAdams, Carla Bruni-Sarkozy, Michael Sheen, Nina Arianda, Alison Pill, Tom Hiddleston, Kathy Bates, Corey Stoll, Kurt Fuller, Mimi Kennedy.
Duração: 100 minutos.

2 comentários:

Déborah-alana disse... Responder comentário

Olá flor :) adorei a dica do filme, é engraçado e gostoso de ver :) adorei :* beijinhos flor

Bruna Araújo disse... Responder comentário

Adorei o blog, muito lindo, parabéns.

ontendency.blogspot.com

Postar um comentário